A produção de nozes e castanhas no Brasil

/ Por marketing

Thumbnail

O Brasil, tem quatro das oito castanhas mais consumidas do mundo, são elas: castanha-de-caju e a castanha-do-pará, conhecidas no exterior como Brazil Nut, ou Amazon Nut; a noz pecã e a macadâmia, consideradas exóticas, trazidas de fora e produzidas com foco comercial.

Em 2018, as exportações do setor somaram US$ 134 milhões, cifra pouco representativa perto de outros produtos do agronegócio brasileiro, mas um segmento extremamente promissor. Há dez anos, o Brasil exportou US$ 229 milhões do conjunto de nozes. Se tivéssemos multiplicado as vendas por seis, como o Chile, as exportações de nozes e castanhas teriam chegado a US$ 1,3 bilhão, o que colocaria o segmento como o 15º produto da pauta de exportação nacional.

Segundo o International Nut Council (INC), o consumo de castanhas e nozes no mundo tem crescido 6% ao ano. Ainda referente a 2018, o Brasil exportou 21 mil toneladas de nozes e castanhas, com receita de US$ 190 milhões, crescimento 41% em volume de exportação e 78% em volume de receita.

O cultivo de castanhas e nozes no Brasil é uma ótima opção de diversificação da lavoura, inclusive em terrenos íngremes. Mesmo tratando-se de um investimento de longo prazo, já que as árvores levam, em média, quatro anos para começar a produzir, é uma cultura com rentabilidade por hectare acima da média.  

Com o mercado de alimentos saudáveis crescendo em média 12,3% ao ano, as nutritivas e saborosas nozes e castanhas brasileiras são feitas sob medida. No mundo, esse mercado movimenta cerca de US$ 35 bilhões e atualmente o Brasil, que já foi o maior produtor de castanha do Pará, hoje ocupa o oitavo lugar. A evolução da funcionalidade desses alimentos somado aos benefícios nutricionais, também são de grande relevância na discussão entre produtores, médicos e representantes da indústria da área.

Recentemente, o acordo entre os países do Mercosul e a União Europeia foi debatido durante o VIII Encontro Brasileiro de Nozes e Castanhas, realizado pela Fiesp. Foram debatidos os impactos para o setor, que incluem abertura econômica e o fortalecimento das condições de competitividade entre os dois blocos, prevendo mais crescimento na produção e nas exportações.

É fundamental o conhecimento sobre tratados internacionais e barreiras para que nosso produto ganhe cada vez mais espaço no mercado, já que a tendência é que cresça o interesse pelos produtos brasileiros.

A B2Brazil possui dentro do projeto setorial Exporta Mais um plano específico para o setor de Nuts, com benefícios exclusivos para os produtores brasileiros que desejam exportar.

Cadastre sua empresa na maior plataforma B2B da América Latina e fale com nossa equipe.

marketing
marketing

Usuário Marketing

Você também pode gostar